NOTÍCIAS
 
 

Grifes do esporte são acusadas de abuso

2012 Trabalhadores de fornecedores de Nike, Adidas e Puma na Ásia relatam maus-tratos e assédio sexual
Gethin Chamberlain
Do “Guardian”

Operários que produzem material esportivo para Adidas, Nike e Puma, patrocinadoras de várias equipes olímpicas, são surrados, sofrem abusos verbais, recebem salários medíocres e são forçados a trabalhar por períodos excessivos em fábricas de Bangladesh, revelou uma chocante investigação.
Operários das três companhias foram espancados, empurrados ou tiveram seus cabelos puxados pelos chefes.
Mulheres que trabalham em fábricas da Adidas e da Nike em Bangladesh denunciaram assédio sexual, e operários das três empresas tiveram de trabalhar por períodos superiores ao máximo permitido pela lei e por salários inferiores ao mínimo.
Trabalhando com a organização War on Want e pesquisadores de Bangladesh, o jornal "Observer" constatou que operários haviam sido espancados e humilhados.
Funcionários das três empresas disseram que sofriam cruéis punições quando tentavam invocar seus direitos. Além de agressões e ofensas, foram forçados a se despir, trancar-se em sanitários ou proibidos de ir ao banheiro.
Hajera Hanom, 32, operária de uma fornecedora da Puma, disse que "eles me espancam, chutam e empurram. É comum que nos xinguem. Isso nos machuca emocional e mentalmente".
Fazlul Huq, que trabalha para um fornecedor da Adidas, disse que os chefes xingavam os funcionários, usando palavras "obscenas". "Fui alvo de palavras ásperas e insultos. Meus chefes me machucaram. Os supervisores e os chefes de linha fazem coisas horríveis com as moças." Muitas mulheres, a maioria entre os operários, contaram que os chefes as forçaram a remover os dupatta (lenços usados para cobrir os seios).
A Adidas é a fornecedora oficial de material esportivo para a Olimpíada de Londres e produzirá para a equipe britânica uniformes criados por Stella McCartney. Também fornecerá uniformes dos 70 mil voluntários dos Jogos.
A Adidas planeja vender 100 milhões de libras de material com tema olímpico.
A Nike patrocina cerca de 25 equipes olímpicas, como Alemanha, China e EUA.
A Puma fornece material para Usain Bolt, ouro nos 100 e 200 metros em Pequim-08, e para a equipe da Jamaica.
Greg Muttitt, diretor de campanhas e de política na War on Want, declarou que "companhias como Adidas, Nike e Puma têm imensos lucros com esses abusos e maculam o estandarte olímpico com o qual se cobrem".
Investigadores constataram que duas fábricas que fornecem para a Adidas pagam salários médios de 72 pence ao dia para seus operários de nível primário. O salário mínimo em Bangladesh equivale a 94 pence ao dia.
O limite legal para a jornada semanal de trabalho no país é de 60 horas, incluindo horas extras, com folga de pelo menos um dia por semana.
Dois terços dos trabalhadores entrevistados disseram trabalhar mais que isso. Alguns operários que recusaram horas extras tiveram todo o dia de trabalho descontado. Outros trabalharam horas extras sem receber.
Uma porta-voz da Nike disse que "a Nike trata com grande seriedade a questão das condições de trabalho nas fábricas de nossos fornecedores terceirizados. Os fornecedores precisam respeitar nosso código de conduta".
A Adidas disse que "todos os nossos fornecedores em Bangladesh estão sujeitos a auditorias regulares, entre as quais visitas de uma ONG feminina que entrevista operárias e examina as condições nos locais de trabalho".
A empresa disse ter identificado, em 2011, "questões críticas" em uma fábrica em relação a jornada de trabalho e salários, o que resultou em medidas disciplinares.
A Puma informou que encontrou provas de horas extras ilegais em um de seus fornecedores, mas que a fábrica havia oferecido garantias de que corrigiria o problema.
Também disse que respeitava o salário mínimo, mas a War on Want afirma ter provas de que os operários não ganham o que manda a lei.

Nike foi denunciada na Indonésia em 2011

Os trabalhadores de fornecedoras da Nike na Indonésia já haviam denunciado abusos em 2011, segundo relatório do instituto Aliança Global para Trabalhadores e Comunidades. À época, a companhia anunciou um plano para melhorar a rotina de trabalho em 30 fábricas do país. A War on Want, que relatou os abusos em Bangladesh, convidou os leitores que desejam apoiar a campanha a enviar um e-mail com a palavra "stop" para olympics@waronwant.org.
Tradução de Paulo Migliacci
Fonte: Folha de S. Paulo