NOTÍCIAS
 
 

Sinditêxtil-SP apresenta mapeamento inédito do setor São Paulo

 
Bonduki anuncia os números de SP e do polo de Americana e região
 

Pessoal ocupado, evolução das indústrias, produção e investimentos no setor têxtil e de confecção de São Paulo. Estes são alguns dados que constam no estudo inédito que foi apresentado pelo Sinditêxtil-SP e pelo Sindivestuário, no dia 16 de agosto, no SENAI, em Americana. O “Panorama da Indústria Têxtil e do Vestuário do Estado de São Paulo” foi realizado pelo Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI) também traz uma atualização do estudo da Região do Pólo Têxtil, que compreende as cidades de Americana, Santa Bárbara, Nova Odessa, Sumaré e Hortolândia. “É de fundamental importância, pois nos ajudará a entender a real situação do nosso setor, nos permite ter a visão do todo”, comenta o presidente do Sinditêxtil-SP, Alfredo Emílio Bonduki.

A pesquisa mostra que São Paulo é o principal estado produtor e empregador do setor têxtil do Brasil, com completa integração (todos os segmentos têxteis presentes). As empresas instaladas representam 29% do total nacional e nelas estão cerca de 30% do pessoal ocupado na cadeia têxtil brasileira em 2010 - do total de 1,7 milhão de trabalhadores que atuam no setor têxtil e de confecção no País, mais de 500 mil estão em São Paulo. “Em 2010, nosso setor alcançou quase R$ 100 bilhões em vendas. Isso mostra que também temos representatividade em faturamento e não somente em mão de obra intensiva”, reforça Bonduki.

 
Imprensa da região prestigia o
lançamento do Panorama
 

Considerando todos os elos da cadeia, o relatório mostra que a Grande São Paulo, Americana, Araraquara e Campinas são os principais polos produtores do estado.Ainda de acordo com o levantamento, a produção nacional de têxteis cresceu 8,3% entre 2008 e 2010. Neste período, São Paulo cresceu 7,4%. Já a produção nacional de confeccionados ficou em 6,5% contra 7,2% no estado, no mesmo período. Apesar do crescimento, o Panorama também aponta que as exportações de têxteis e confeccionados no Brasil recuaram 16,3% de 2008 a 2010, ao mesmo tempo que as importações avançaram 31,5%.

Regional – O Panorama do IEMI revelou que junto com a capital, o polo de Americana e região apresentam a mais completa integração entre os elos produtivos no segmento de têxteis, sendo que as empresas lá instaladas (656 indústrias) representam 2,1% do total nacional. Já o pessoal ocupado na região representa 3% do total da cadeia têxtil brasileira em 2010.
O estudo traz que 333 indústrias confeccionistas equivalem a 51% do total de empresas da cadeia têxtil da região, onde os investimentos de R$ 158 milhões em equipamentos representam cerca de 8,8% dos valores investidos pela cadeia têxtil nacional. A produção têxtil ficou em 299 mil toneladas, ou seja, 13,6% da produção brasileira. Enquanto isso, a produção de confeccionados chegou a 87 milhões de peças (3% do estado e 1% do nacional). As vendas de R$ 5,2 bilhões equivalem a 5,2% do valor nacional, no ano passado. As tecelagens puxaram o resultado, com 53% das vendas.

 
 
Representantes do Sinditêxtil-SP e Sindivestuário durante encontro

A indústria do vestuário representa 39% do total das empresas do polo e região, enquanto as tecelagens respondem por 28%. A mão de obra registrada cresceu 4,8% entre 2008 e 2010, sendo 3,2% no segmento têxtil e 6,9% na confecção. A pesquisa revela, ainda, que a tecelagem emprega 40% da mão de obra empregada pelo setor na região; vestuário emprega 23%. No mesmo período, a produção de têxteis cresceu 12% em volume e 34,9%  em valor. Em 2011, o crescimento previsto é de 7% em volume e 11% em valor. Em relação aos confeccionados, o crescimento foi da produção foi de 7% em volume e de 30% em valor, entre 2008 e 2010. Para este ano, estima-se um crescimento de 3,8% em volume e de 8,4% em valor. Já os investimentos no polo cresceram 37% no têxtil e apenas 6% na confecção, sendo que 85% foram em máquinas e equipamentos. Para 2011, a previsão de crescimento é de 10%.

Reunião – Após o anúncio do Panorama para a imprensa, o Sinditêxtil-SP e o Sindivestuário apresentaram o estudo para empresários e profissionais têxteis de Americana e região. Além disso, a conjuntura atual de têxteis e vestuário no Brasil e em São Paulo e o plano “Brasil Maior” foram abordados na reunião, que também aconteceu no SENAI de Americana.